Suspeito de matar adolescente de 15 anos que defendia pai em briga no RN é preso

O suspeito de matar o adolescente João Vitor Brito Linhares, de 15 anos, no município de Rio do Fogo, litoral do Norte do Rio Grande do Norte, foi preso nesta segunda-feira (8) por policiais civis da Delegacia de Touros, que investigam o caso.

João Vitor foi foi morto no dia 31 de dezembro com uma facada no peito ao tentar defender o pai em uma briga na praia de Zumbi (veja mais sobre o caso mais abaixo).

No dia 3 de janeiro, o suspeito de ter cometido o crime se apresentou à Polícia Civil acompanhado de dois advogados, mas permaneceu em silêncio durante todo o depoimento. Ele também não confessou o crime.

Por não existir flagrante naquele momento, o suspeito, que tem 22 anos, não ficou preso.

No dia seguinte, familiares que testemunharam o crime foram ouvidos na Delegacia de Touros pelo delegado responsável pela investigação do caso, Jaime Groff, que solicitou aos advogados do suspeito a presença dele para um novo interrogatório nesta segunda.

Ao chegar na delegacia, ele foi informado sobre o mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça do Rio Grande do Norte após pedido da Civil na semana passada.

O delegado Jaime Groff explicou que ele é o único e principal suspeito da morte do adolescente. “Todos os elementos indicam que sim [que o suspeito que cometeu o crime], as testemunhas que presenciaram o fato. Ainda quero ouvir uma ou duas pessoas que estavam presentes na ocasião. Mas há uma tendência muito forte do indiciamento dele”, disse.

A tendência, segundo o delegado, é que ele seja indiciado por homicídio qualificado, por motivo fútil, e com o uso de meio que impossibilitou defesa da vítima.

No novo interrogatório, o suspeito alegou que cometeu o crime por legítima defesa, segundo Groff. “Disse que foi agredido e pegou uma faca para se defender”.

O adolescente estava na praia de Zumbi para passar o Réveillon com a família, que tem uma casa na região.

Segundo a família de João Vitor, o adolescente viu o pai tomar um soco durante um desentendimento na praia e foi tentar ajudá-lo. Foi neste momento que um homem desferiu a facada no peito do adolescente.

“O João Vitor, que não tinha nada a ver com a história, entrou para defender o pai e acabou levando uma facada”, contou uma parente do adolescente, que preferiu não se identificar.

A briga teria começado por conta de uma discussão entre crianças na beira de uma lagoa, segundo contou a família da vítima. O suspeito fugiu logo após o crime.

A família levou João Vitor às pressas para o Hospital Municipal de Rio do Fogo, mas ele morreu pouco depois de dar entrada na unidade.

Uma prima e uma irmã da vítima brincavam com uma bola quando um menino, que elas não conheciam, pediu para participar. Elas negaram e o menino reagiu com xingamentos.

Logo após, familiares das meninas – entre eles o pai de João Vitor – foram pedir para o menino ter mais respeito e perguntaram sobre o pai dele, que estava dentro da lagoa.

“De repente saiu um homem bem agressivo de dentro da lagoa. O pai do João Vitor falou que não tinha necessidade disso, para resolver isso na paz, que são crianças, que se entendem. Disse para deixar isso pra lá”, contou uma familiar de João Vitor, que preferiu não ter a identidade revelada.

Naquele momento, tudo parecia resolvido, segundo a família de João Vitor, já que o homem que havia saído da lagoa nem estava mais no local.

“A gente já ia voltar pra casa, só que a gente não sabia que o cara que tinha saído da lagoa tinha ido em casa chamar outras pessoas”, contou. “Quando a gente estava indo, uma mulher segurou no meu braço e disse: ‘Vocês estão indo pra onde?’. Ela disse que a gente não ia e que o pai do menino estava vindo”.

Segundo a família de João Vitor, o rapaz que estava na lagoa voltou acompanhado de outros dois homens. “E começaram naquele tom de agressividade. Nisso, o pai do João Vitor disse que não tinha necessidade, que já tinham conversado…Foi quando tudo começou”.

O homem a desferir o soco, segundo os parentes de João Vitor, não era o mesmo que saiu da lagoa. Logo após a facada, os familiares da vítima correram para levar João Vitor para o hospital.

“Sabe aquele filme de terror? Só vi todo mundo correndo, as pessoas pegando nas mãos das crianças”, lamentou a parente.

A família disse ainda que o homem que desferiu a facada ficou um tempo no local, mas fugiu antes da chegada da Polícia Militar.

“Ele ainda teve a audácia de ficar com a faca da mão dizendo: ‘É isso mesmo, eu fiz e faço. Mexeu com minha família, eu faço mesmo'”.

Fonte: g1 RN