Sete meses depois, investigação sobre morte de empresário paulista dentro da própria pousada em São Miguel do Gostoso segue aberta

Sete meses após o assassinato do empresário paulista Guilheme Deiroz Tosetti, de 39 anos, dono de uma pousada em São Miguel do Gostoso, no Litoral Norte potiguar, as investigações sobre o crime seguem abertas e sem nenhum suspeito preso pela polícia.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Jaime Groff, a Polícia Civil recebeu recentemente o resultado de uma perícia, mas ele não detalhou o resultado. De acordo com ele, os investigadores buscam interpretar os dados para chegar aos possíveis autores do crime.

Até esta terça-feira (26), a polícia ainda não indiciou nenhum suspeito. As possíveis causas do crime também não foram divulgadas.

O crime aconteceu no dia 8 de maio de 2023. O homem foi encontrado morto no jardim da sua pousada, com um ferimento na cabeça. Ao lado dele, havia uma pedra suja de sangue, o que, segundo a Polícia Militar do município, dava indícios de que ele foi vítima de uma pedrada.

Guilheme Deiroz Tosetti, de 39 anos, morava sozinho na cidade. O vizinho do empresário foi quem acionou a polícia, ao ver o corpo caído.

O crime aconteceu na Rua das Anchovas, no Centro de São Miguel do Gostoso, onde ficava a pousada do empresário. Ele era natural de São Carlos, no interior de São Paulo.

Fonte: g1 RN