RN tem previsão de receber chuvas acima da média entre maio e julho, aponta Emparn

O Rio Grande do Norte tem previsão de receber chuvas acima da média nos meses de maio, junho e julho. O prognóstico foi anunciado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) nesta sexta-feira (26) após reunião de análise climática realizada na quinta (25) com especialistas de todos os centros de meteorologia do Nordeste.

Segundo o órgão, o litoral potiguar deve representar o ponto mais chuvoso no período.

A Emparn informou ainda que os volumes de chuva foram acima da média nos meses de março e abril – que integram a quadra chuvosa no estado – contrariando as previsões anunciadas em outubro de 2023.

📳Participe do canal do g1 RN no WhatsApp

A previsão de chuvas acima da média para o próximo trimestre acontece, de acordo com a Emparn, pelas temperaturas estarem mais elevadas nas águas superficiais do Oceano Atlântico.

“O fenômeno El Ñino vem apresentando sinais de enfraquecimento. Este cenário começou a ser observado de forma gradual e apresenta, no momento, uma tendência para condição de La Ñina, que em oposição ao El Ñino apresenta entre seus efeitos, tendência de ocorrência de chuvas”, disse o chefe da unidade de Meteorologia da Emparn, Gilmar Bristot.

O meteorologista destacou que a temperatura média atual observada nas águas superficiais do oceano Atlântico está variando entre 29°C e 30°C, quando o esperado era era 27ºC e 28ºC.

LEIA TAMBÉM

Segundo a Emparn, tem sido observado que desde novembro de 2023 o RN tem mantido regularidade no volume das chuvas, com acumulados acima da média desde então.

Um desses exemplos é a ⁠Região do Seridó Oriental, que não é uma região tão chuvosa historicamente, segundo a empresa, mas neste período tem apresentado volumes acima da média.

“Diante das atuais circunstâncias apresentadas pelos modelos meteorológicos a previsão é de um próximo trimestre mais chuvoso no Rio Grande do Norte”, disse Gilmar Bristot.

“Estamos acompanhando semana a semana os dados coletados para uma elaboração cada vez mais precisa e assim orientar os órgãos de governo nas ações”.

Fonte: g1 RN