Previsto para ser entregue em 2023, Mercado da Redinha tem prazo adiado para ser concluído até abril

Previsto inicialmente para ser concluído até o fim do ano de 2023, o novo Mercado da Redinha ganhou um novo prazo para o término das obras e a reinauguração do espaço: abril de 2024. A nova data foi informada pela Secretaria de Infraestrutura de Natal (Seinfra) nesta segunda-feira (29) à Inter TV Cabugi.

De acordo com a pasta, atualmente as obras do Mercado da Redinha estão 51% concluídas. Pelo projeto, a estrutura terá restaurantes, varanda panorâmica e 33 boxes que serão ocupados pelos antigos permissionários. O investimento total é de R$ 25 milhões.

Enquanto o mercado não fica pronto, os trabalhadores recebem um auxílio financeiro da prefeitura e podem atuar de maneira improvisada no trecho, seguindo algumas restrições que envolvem quantidade de mesas e cadeiras.

Essa mudança tem gerado confusões constantes, como a que gerou uma série de manifestações em agosto do ano passado, após os trabalhadores serem retirados do trecho onde estavam por órgãos da prefeitura, que alegavam irregularidade.

Neste domingo (29), houve mais uma confusão envolvendo um permissionário do mercado e a Guarda Municipal. Ele foi detido e acusou a Guarda Municipal de excessos, como o uso de algemas – ele, no entanto, admitiu que usou mais mesas e cadeiras do que é permitido. O permissionário disse que fez isso para ter mais recursos, porque o auxílio estaria atrasado.

Em nota, a Guarda Municipal disse que o trabalhador “insistiu em infringir regras estabelecidas”, e que pediu para que o trabalhador se afastasse, mas ele desobedeceu as ordens. O uso das algemas, segundo a Guarda, foi para “preservar a segurança dele e da equipe”. O trabalhador assinou um termo circunstanciado de ocorrência na delegacia e foi liberado.

Segundo a Guarda Municipal, ele já foi autuado outras duas vezes com cadeiras e mesas a mais. Dessa vez, 15 cadeiras e 4 mesas foram apreendidas.

Além do trabalhador detido, outros permissionários alegaram que o auxílio de R$ 1,2 mil, garantido em acordo judicial, está atrasado.

“Hoje já é dia 29 de janeiro e nada ainda. Nossas vendas caíram 90%, bem dizer. A situação está difícil”, disse o ambulante Luiz Antonio Souza.

A Secretaria de Trabalho e Assistência Social de Natal, no entanto, negou o atraso. A pasta disse que a prefeitura tem até o fim de cada mês para pagar o auxílio.

📳Participe do canal do g1 RN no WhatsApp e receba no seu celular as notícias do estado

Fonte: g1 RN