Prazo para fim de operação é até a recaptura dos dois fugitivos de presídio de segurança máxima no RN, afirma diretor-geral da PRF

O prazo para o fim da operação que tenta encontrar os dois fugitivos do presídio de segurança máxima de Mossoró (RN) é até a recaptura, segundo o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Fernando Oliveira.

Em entrevista ao “Estúdio I”, na GloboNews, ele disse que, “enquanto precisar, vamos operar até recapturar os dois e devolvê-los à cela para a tranquilidade da sociedade brasileira”.

Oliveira ainda disse que, nos trabalhos de busca, cabe à PRF de garantir a segurança do perímetro das rodovias e que estão sendo realizados “cinturões de bloqueios” para evitar que a fuga siga em curso. Além de realizar estes bloqueios no Rio Grande do Norte, há reforços nas rodovias do Ceará e da Paraíba, locais para onde os fugitivos possam se descolar.

Ele afirma que há integrações entre as forças da operação como a Polícia Federal (PF), polícias estaduais e segurança pública nacional.

Mais de 300 agentes de segurança trabalham desde a quarta-feira (14) para recapturá-los.

Estão empenhados:

Uma casa que fica a 7 km do presídio foi invadida entre 18h e 21h de quarta. Os criminosos levaram roupas, sapato e outros itens pessoais. Na madrugada desta sexta (16) roupas e pegadas foram encontradas por policiais na zona rural de Mossoró. O morador da casa confirmou que uma colcha encontrada na mata é dele. “A polícia esteve aqui, mostrou as fotos pra mim, e a colcha é minha, o resto não”, disse.

O policiamento foi reforçado na área. O diretor-geral da PRF afirma que a sociedade já sabe como são os indivíduos e que, caso vejam algo ou sofram algum furto ou roubo, que comuniquem para a polícia para que essas informações cheguem o mais rápido possível para as organizações de segurança que trabalham nas buscas.

LEIA TAMBÉM

Na manhã desta sexta a força-tarefa que busca pelos dois fugitivos encontrou uma camiseta de uniforme de presidiário na Zona Rural de Mossoró.

A PF recolheu material biológico em uma propriedade na qual Deibson e Rogério teriam furtado roupas e objetos.

Fernando Oliveira afirma que a investigação aponta que os dois não estão tendo ajuda de outras pessoas ou organização criminosa e que, caso tivesse, facilitaria as buscas pois haveria uma maior movimentação de informações que seriam capturadas pelos agentes.

Pela primeira vez no Brasil, um presídio de segurança máxima do sistema penitenciário federal registrou uma fuga.

O sistema foi criado em 2006 e conta com cinco presídios de segurança máxima. O presídio de Mossoró foi o terceiro a ser inaugurado pela União, em 2009.

Fonte: g1 RN