Padre potiguar leiloa bolo por R$ 100 mil durante festa religiosa na Paraíba

Um único bolo foi arrematado por R$ 100 mil durante um leilão realizado na última sexta-feira (19) pela paróquia da cidade de São Bento, na Paraíba, durante a festa de São Sebastião. A iguaria virou alvo de uma disputa política local.

O responsável pelo leilão era o padre potiguar Gleiber Dantas, que é de Caicó, na região Seridó do Rio Grande do Norte. Ele afirma que já realizou mais de 300 leilões, mas nunca tinha visto algo ser vendido por um valor tão alto em uma festa religiosa.

Segundo o padre Gleiber, tradicionalmente o bolo é o bem mais disputado no leilão da paróquia de São Bento. O primeiro lance, na última sexta (19), foi de R$ 5 mil.

No entanto, o objeto se tornou alvo da disputa de dois grupos políticos, de situação e oposição, no município, ambos liderados por primos do religioso, que tem familiares na Paraíba. A distância entre Caicó (RN) e São Bento (PB) é de cerca de 60 quilômetros.

O valor subiu surpreendentemente, até um lance de R$ 70 mil ser superado por outro de R$ 100 mil. “Teve uma hora que me deu medo, porque eram dois grupos muito fortes, e ali o que mais estava em cena era mostrar que quem tirasse o bolo tinha mais força política”, afirmou.

“Obviamente os dois grupos tinham intenção de ajudar a igreja, porque só foi para ali quem queria ajudar a igreja, mas ficou claro que havia uma queda de braço. Parecia que um grupo estava chamando o outro para a briga”, disse.

O bolo foi arrematado pelo empresário conhecido como Rafinha Banana e acabou sendo consumido pela população da cidade.

O padre Gleiber se tornou conhecido ao virar um “meme” nas redes sociais, em 2020. Ele fez um leilão por meio de uma live, usando uma rede para se balançar. Entre os produtos arrematados, havia uma lasanha de R$ 140. Desde então, ele sempre usa uma rede durante os leilões que realiza.

Ele afirmou que o leilão rendeu mais de R$ 200 mil da última sexta-feira (19), mas não sabe o valor preciso da arrecadação. Ainda de acordo com o religioso, os valores levantados nos eventos são usados pelas paróquias para manter as despesas rotineiras, além de construção de novas capelas e ajuda social.

“A paróquia deve ser mantida pelos dízimos dos fiéis, mas há casos em que os dízimos mensais não cobrem os custos”, explicou.

Fonte: g1 RN