MPF recomenda proibir trânsito de veículos na areia da praia de São Miguel do Gostoso para proteger tartarugas

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à prefeitura de São Miguel do Gostoso que tome medidas para fiscalizar e coibir o trânsito de veículos na areia das praias do município. Segundo o órgão, a recomendação é para proteger as tartarugas marinhas que se reproduzem naquele trecho do litoral.

Segundo o MPF, a tartaruga-de-pente, uma espécie que corre risco de extinção, faz uso do litoral de São Miguel do Gostoso para reprodução no período de novembro a junho.

📳Participe do canal do g1 RN no WhatsApp e receba no seu celular as notícias do estado

De acordo com o órgão, o trânsito de veículos nas areias do local pode causar desde o atropelamento dos animais até mesmo a alteração do “comportamento das fêmeas no momento em que sobem à praia para desovar, assustando-as, com eventual interrupção do processo reprodutivo, causando desorientação pelos fachos de faróis”.

A recomendação estabelece o prazo de 30 dias para que a Prefeitura de São Miguel do Gostoso responda ao MPF indicando as medidas adotadas.

Ao g1, a prefeitura de São Miguel do Gostoso informou que recebeu a recomendação e que está analisando e planejando “todas as medidas cabíveis com os setores envolvidos em nosso município”.

Em 2017, um grupo de filhotes de tartarugas morreu atropelado na beira da praia em São Miguel do Gostoso.

A recomendação, segundo o MPF, é para impedir circulação sobretudo de quadriciclos, buggies e motocicletas na faixa de areia.

Entre as recomendações, o MPF pede que o município indique com “placas em locais visíveis ao público em todas as entradas de acesso à praia” sobre a proibição de trânsito de veículos a partir dali, citando a legislação e eventual punição cabível.

A advertência deve ter o reforço de “bloqueio efetivo dos acessos à praia, com estruturas que não sejam facilmente removíveis ou ultrapassadas”, recomenda o MPF. O documento é assinado pelo procurador da República Felipe Valente.

O documento pede atenção especial para a Ponta do Tourinho, local turístico importante da região, onde veículos também costumam ser estacionados.

O MPF orienta a prefeitura a “organizar a ocupação da enseada do Tourinho, sujeita ao avanço do mar em períodos de ressaca”, inclusive com a implantação de um projeto de passarelas e mirantes elevados de maneira a evitar o desmoronamento das rochas na Ponta do Tourinho.

Foi também recomendado que o município:

A recomendação também indica que a movimentação de veículos nas praias pode afetar outros organismos que ali vivem, além de causar a destruição da vegetação e do habitat de diversas espécies.

Segundo o MPF, é comum avistar animais atropelados nas praias, bem como a destruição de tocas e ninhos.

O MPF citou no documento a legislação do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), que define como áreas de preservação permanente – onde é proibida a supressão de vegetação – os locais de presença de ninhos e reprodução da fauna silvestre nas praias, bem como áreas situadas em faixa mínima de 300 metros, medidos a partir da linha de preamar máxima ou em qualquer localização ou extensão, quando recoberta por vegetação com função fixadora de dunas ou estabilizadora de mangues.

Fonte: g1 RN