(84) 9 9986-1150

Após chuvas no RN, açude Itans ainda acumula menos de 1% da capacidade de armazenamento de água

As boas chuvas que caem no Rio Grande do Norte desde janeiro aumentam a esperança de que os reservatórios de água recuperem o volume de água perdida durante os anos de seca. No entanto, em Caicó, no Seridó potiguar, o açude Itans, um dos maiores do Rio Grande do Norte, segue numa situação difícil.

O reservatório está com menos de 1% da capacidade total. A falta de água já fez com que o abastecimento fosse suspenso no município, além de prejudicar pescadores e agricultores.

A horta em que o agricultor Geraldo Jousé trabalha é irrigada com a água que vem do açude Itans. Os pés de coentro, cebolinha e alface são plantados na área do reservatório. Se ele estivesse cheio, toda a área de plantio estaria coberta de água. Mas com a seca do açude, e a cada dia a água indo para mais longe, está mais difícil manter a irrigação das hortaliças.

“Tem que colocar mais cano porque não dá. Se for acolá pra cima, aí é que é cano. Todo mundo vem sofrendo com isso aqui, todos os rendeiros sofrem quando esse açude não enche. E se não chover esse ano a tendência é secar mais ainda”, lamenta o agricultor Geraldo Josué.

A última vez que o açude Itans atingiu a capacidade total e transbordou foi em 2009. De lá pra cá, mesmo atravessando alguns invernos e períodos de estiagem, o açude não conseguiu atingir uma reserva hídrica satisfatória. Nos últimos anos, a situação só tem piorado. Em junho do ano passado, o açude atingiu o volume morto e está apenas com 0,7% do que pode armazenar.

Isso representa um volume atual de 500 mil metros cúbicos de água diante dos 75 milhões de metros cúbicos que o reservatório pode armazenar. Para o Instituto de Gestão das Águas, (Igarn), o Itans já é considerado um açude seco. O volume de água abaixo de 1% já atinge as atividades importantes de quem depende dele. O abastecimento de água foi suspenso quando o açude chegou ao volume morto.

“Se tem um volume morto, já corta o abastecimento de água, já corta a qualidade. O açude tá praticamente seco”, afirma o responsável pelo escritório Dnocs em Caicó, Ubiratan Machado.

As chuvas antecipadas pelo interior do estado, no mês de janeiro, não foram suficientes para mudar a realidade do Itans. De acordo com o responsável pelo escritório o motivo é que não choveu nos lugares fundamentais para que o açude recebesse água.

“Teve muita chuva no centro da cidade. Teve chuva aqui, mas foi fina e quando acontece uma chuva maior, passa dois dias sem chover e a evaporação vai embora. Se não chover nos rios, afluentes que jogam para dentro do açude, então tem que pelo menos chover na cabeceira do açude. E tá uma escassez muito grande de chuva na cabeceira do açude”, explica Ubiratan.

Praticamente sem água, a pesca já se tornou inviável. De acordo com o Dnocs, 11 irrigantes utilizam o perímetro irrigado da água que vem do Itans, além de 165 famílias em torno do reservatório que possuem concessões para utilizar a água que ainda resta.

“Fica difícil porque pelo movimento da pesca, o açude muito seco, muita lama, é complicado, dificultoso. Com relação ao abastecimento da estação, nós estamos usando uma pequena demanda de aproximadamente de 4 a 5 litros por segundo, é como estamos atendendo a estação para que a gente salve nossas matrizes” explica Jorge Luiz da Silva, responsável pela estação de piscicultura.

Açude Itans acumula pouco menos de 600 mil metros cúbicos de água. Capacidade é de 75,8 milhões — Foto: Hugo Andrade/Inter TV Costa Branca

G1RN

Postado em 21 de fevereiro de 2022 - 4:52h