Governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra é empossada presidente do Consórcio Nordeste

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT) tomou posse como presidente do Consórcio Nordeste durante assembleia com governadores dos estados da região na manhã desta quarta-feira (31), em Natal.

Ao assumir o cargo no lugar de João Azevedo (PSB), da Paraíba, Fátima se tornou a primeira presidente mulher da entidade e terá um mandato de um ano.

Além da presença dos governadores de todos os estados da região, com exceção de Elmano de Freitas, do Ceará, que enviou a vice, Jade Romero, o encontro contou com a participação do ministro de Desenvolvimento e Assistência Social, Wellington Dias, que já foi presidente do consórcio.

Na solenidade, Fátima ressaltou o pioneirismo potiguar na participação feminina na política e ressaltou alguns dos seus objetivos à frente do consórcio, criado em 2019.

“O PAC destinou para todo o Brasil cerca de R$ 1,7 trilhão, dos quais mais de 40% estão destinados ao Nordeste. Esse comitê, estou propondo em parceria com o governo federal, para que a gente possa efetivamente ter essas obras realizadas no tempo previsto e entregues à população”, afirmou.

Fátima ainda afirmou que a câmara temática na área da Saúde deverá focar no desafio da vacinação da população, associado ao combate à dengue. Ela ainda ressaltou a criação de um comitê do monitoramento e enfrentamento às emergências climáticas.

“O Brasil precisa olhar também para outros biomas, como é o caso da caatinga. Nós já apresentamos um projeto ao governo federal para a criação do Fundo da Caatinga. Esperamos que avance essa pauta também do ponto de vista legislativo”, disse.

A gestão do consórcio é alterada todos os anos, com revezamento entre os governadores dos estados nordestinos. Fátima está no segundo mandato no governo do Rio Grande do Norte e deverá permanecer no comando do consórcio até o início de 2025.

O Consórcio criado em 2019 é um instrumento jurídico, político e econômico de integração dos nove Estados da região Nordeste do Brasil. Entre as possibilidade abertas, estão a realização de compras conjuntas entre estados, a implementação conjunta de políticas públicas e a busca por cooperações nacionais e internacionais.

Fonte: g1 RN