Força-tarefa tem ‘fortes indícios’ de que fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró continuam na região, diz ministro

A força-tarefa de buscas pelos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró acredita que a dupla continua na região Oeste do Rio Grande do Norte, entre os municípios de Baraúna e Mossoró, onde o trabalho tem sido concentrado há quase um mês.

A afirmação foi feita pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, em entrevista coletiva na delegacia Polícia Federal de Mossoró, na manhã desta quarta-feira (13), 29º dia de buscas por Deibson Nascimento e Rogério Mendonça.

De acordo com Lewandowski, a operação será mantida na região.

O ministro afirmou que cães conseguiram farejar a presença recente dos fugitivos na zona rural, nesta terça-feira (12). O local fica a cerca de 10 km da cidade de Baraúna e foi vasculhado.

“As forças de segurança foram ao local com cães altamente treinados e esses cães confirmaram a presença em tempo recente desses fugitivos. Nós vamos manter a operação, da forma como ela está sendo levada”, disse.

Segundo Lewandowski, o fato de a dupla ainda permanecer na região comprovaria um “êxito” das ações policiais na região. Ele afirmou que a força-tarefa teria conseguido manter os fugitivos “encurralados”.

“O resultado prático a meu ver é que eles não conseguiram escapar deste perímetro, eles estão cercados. Se não fosse a eficiência das polícias eles já estariam distantes. Embora não tenham sido recapturados eles se mantêm nesse perímetro original”, ponderou.

Lewandowski, no entanto, não detalhou o raio de atuação das equipes. “O perímetro é extenso e variável, mas essa informação é reservada. Nós temos convicções baseadas em indícios de que eles estão nessa região entre Baraúna e a Penitenciária de Mossoró”, pontuou.

O ministro ainda confirmou que os presos receberam ajuda externa da facção Comando Vermelho, da qual fazem parte, e que pelo menos sete suspeitos de envolvimento já foram presos. Dois carros também foram apreendidos durante as investigações.

Segundo o ministro, os fugitivos não se deslocaram apenas a pé, durante o cerco. “Estão sim recebendo ajuda de fora, ajuda externa. É isso é o que explica o relativo êxito para escapar desse cerco”, considerou.

Ainda de acordo com o governo federal, a última vez em que os criminosos foram vistos ocorreu no dia 3 de março, em uma fazenda da região, e estavam juntos.

“O que eu posso dizer, talvez alguém pode confirmar isso, é que a visualização que foi feita no dia 3 foi exatamente no sentido de que dois indivíduos, com as características dos fugitivos, foram avistados. Portanto, a última visualização que nós tivemos dos fugitivos é que eles estavam em dupla“, disse.

Lewandowski também foi questionado sobre os custos da operação, que envolvem mais de 500 agentes federais e estaduais, disse que o gasto é necessário, mas não detalhou os valores envolvidos.

“São valores que fazem parte da PF, PRF, do próprio MJ, e esses valores estão no orçamento e são para serem utilizados nessas operações. Não existe segurança pública, sobretudo em situação de emergência, sem custos elevados”, defendeu.

Ainda segundo o ministro, as forças dos diferentes estados estão sendo mantidas pelos próprios governos estaduais.

Entre as providências para ampliar a segurança dentro das Penitenciária Federal de Mossoró, o ministro citou o afastamento de toda a direção da prisão e o processo para construção de uma muralha no entorno da unidade.

“Estamos fazendo uma correição; nós retomamos ou aperfeiçoamos; tornamos mais rígidos os protocolos que são normalmente levados a efeito nas prisões federais; revistas diárias foram intensificadas; já determinamos a compra de câmeras, de sensores de presença e sensores térmicos. Estamos construindo uma muralha no presídio de Porto Velho e vamos construir a muralha de Mossoró”, afirmou o ministro.

“Todas as medidas de segurança interna foram intensificadas, os pontos frágeis estão sendo corrigidos”, acrescentou. De acordo com ele, mais de 60 agentes penais federais aprovados no último concurso foram convocados e a maioria será destinada a Mossoró.

Lewandowski desembarcou no estado por volta das 9h30 para uma reunião com policiais da força-tarefa responsável pelas buscas aos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró, Deibson Nascimento e Rogério Mendonça.

A primeira fuga da história do sistema penitenciário federal completa um mês nesta quinta-feira (14).

Após o desembarque, o ministro seguiu para a delegacia da Polícia Federal no município, onde se reuniu com os policiais e concedeu entrevista. Em seguida, o ministro anunciou que faria um sobrevoo sobre a área de buscas pelos fugitivos.

Esta é a segunda visita de Lewandowski ao Rio Grande do Norte desde a confirmação da fuga. No dia 18 de fevereiro, quinto dia de buscas, o ministro afirmou que não havia prazo para recaptura dos foragidos.

A operação para recaptura dos fugitivos envolve mais de 500 agentes de segurança de diferentes estados, que atuam de forma integrada. São policiais federais, rodoviários federais, militares e civis, além da Força Nacional.

Deibson Nascimento e Rogério Mendonça fugiram da penitenciária de segurança máxima no dia 14 de fevereiro, na primeira fuga da história do sistema prisional federal, criado em 2006. Desde então, equipes tentam localizar e recapturar a dupla.

A última vez em que os dois foram vistos foi no dia 3 de março, em uma fazenda em Baraúna. Nas últimas semanas, as buscas se concentraram na zona rural do município, que faz limite com Mossoró.

As equipes de busca das operações especiais do Bope, da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, chegaram nesta área na noite de segunda-feira (11). Os cães farejadores ficaram agitados e detectaram a presença humana em uma área de mata na terça (12).

No domingo (10), a Força Tarefa que atua nas buscas pelos foragidos ampliou o raio de buscas e realizou uma operação no assentamento Vila Nova 1, na zona rural de Baraúna, no Oeste potiguar.

O assentamento fica localizado a aproximadamente 9 km do local onde os fugitivos foram vistos pela última vez, no assentamento Vila Nova 2, também em Baraúna, ao saírem de uma plantação de banana. A polícia havia concentrado as buscas na região nos dias seguintes à aparição da dupla.

Nas novas buscas deste domingo, os policiais entraram e revistaram algumas casas do Vila Nova I. Os moradores relataram que os investigadores acreditam que alguém está dando abrigo à dupla.

Pelo menos seis pessoas foram presas pelos investigadores por suspeita de ajudar ou tentar auxiliar os fugitivos, coordenadas pela facção Comando Vermelho. Cinco prisões foram em cumprimento a mandados de prisão, além de uma prisão em flagrante.

Simulações divulgadas pela Polícia Federal no início desta semana mostram possíveis aparências e disfarces dos fugitivos da Penitenciária Federal de Mossoró , no Rio Grande do Norte.

Segundo a Polícia Federal as projeções de crescimento de cabelo, barba e uso de disfarces foram elaboradas por papiloscopistas do setor de Representação Facial Humana do Instituto Nacional de Identificação (INI) da PF, em Brasília.

Ainda de acordo com a corporação, a divulgação das imagens visa facilitar o trabalho de buscas e o apoio da população com informações sobre os fugitivos. A corporação já anunciou recompensa de até R$ 30 mil para quem repassar informações que levem à recaptura dos foragidos.

Fonte: g1 RN