‘Ela provavelmente não era alvo’, diz delegado sobre advogada morta junto com cliente no RN

“Ela provavelmente não era alvo”. É o que diz o delegado Thyago Batista, da cidade de Santo Antônio, na Região Agreste do Rio Grande do Norte, que investiga o assassinato da advogada Brenda dos Santos Oliveira, de 26 anos, e do cliente dela, Janielson Nunes de Lima, de 25.

Os dois foram mortos a tiros na tarde de terça-feira (30) a cerca de 600 metros da delegacia do município, logo após saírem do local.

Para o delegado, que concedeu entrevista coletiva nesta quarta-feira (31), a advogada acabou morta por estar no carro ao lado de Janielson, conhecido como “Gordinho da Batata”, que era investigado pela Polícia Civil pela morte do vaqueiro João Victor Bento da Costa. O Gordinho, segundo o delegado, seria o alvo do ataque a tiros.

LEIA TAMBÉM

“Pelo pouco que eu conhecia dela aqui da região, ela era recém-formada, estava atuando na advocacia há pouco tempo, não tinha envolvimento, e tinha sido contratada pela família do suspeito já depois da condução do Janielson para cá [para a delegacia]. Foi quando a família foi em busca de um advogado na região que pudesse acompanhá-lo”, explicou o delegado Thyago Batista, que trata o crime como execução.

A sócia e amiga de Brenda, Ilanna Arquilino, contou ao g1 que a advogada não conhecia o cliente e que o trabalho tinha sido indicação de uma prima. Ela havia tirado a carteira de registro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em 2022.

Brenda havia dado carona, no carro dela, para Janielson e para três parentes dele ao sair da delegacia, quando acabou interceptada por quatro criminosos, segundo o delegado.

“Ela pode ter se assustado com a situação e ter acelerado o carro, até numa autodefesa, não no intuito de fugir, mas sem querer, e isso poderia ter motivado do homicídio dela”, falou Thyago Batista.

As três pessoas no banco de trás do carro não foram atingidas pelos disparos e tiveram lesões leves, devido aos estilhaços de vidro e também ao fato do carro ter colidido, após a advogada e o cliente serem baleados, com um ônibus. As parentes foram atendidas no hospital municipal e liberadas.

Os quatro suspeitos de matarem a advogada e o cliente dela chegaram em motos e usavam capacetes. O delegado disse que investiga ainda se havia outro veículo dando apoio.

Em nota, a OAB comunicou que requereu ao secretário de Segurança Pública do Estado, Coronel Francisco Araújo, o acompanhamento rigoroso das investigações, e também designou que uma comissão acompanhe o inquérito policial.

O delegado de Santo Antônio disse ainda que Janielson de Lima, cliente da advogada, estava sendo acusado nas redes sociais pela morte do vaqueiro João Victor e, que, por isso, foi à delegacia sozinho na segunda-feira (29), um dia antes de ser morto. Ele negou o crime e disse que estava em um bar no momento do assassinato.

“Ele queria prestar esclarecimentos, porque o nome dele estava sendo divulgado nas redes sociais, dizendo que ele teria sido o autor do homicídio cometido contra o Victor”, disse o delegado. “Ele já estava, entre aspas, ‘condenado’ como um homicida nas redes sociais”.

O delegado Thyago Batista informou que não o ouviu oficialmente na segunda-feira e decidiu reagendar o depoimento do suspeito para levantar mais informações sobre o caso.

“Até, se fosse o caso, conseguir colocá-lo na cena do crime, de já ter representado por uma prisão dele e, assim que ele retornasse, já ficaria preso”, explicou o delegado.

Janielson, no entanto, acabou detido nesta terça-feira (30) em Arez, cidade onde trabalhava na feira livre, pela Polícia Militar, que o conduziu até a Delegacia de Santo Antônio novamente. A PM informou que acreditava que Janielson poderia seguir numa situação de flagrante naquele momento.

A Polícia Civil informou que os antecedentes criminais de Janielson eram uma medida protetiva por ameaça a uma ex-companheira e um Termo Circunstaciado de Ocorrência (TCO) por empinar moto.

O vaqueiro João Victor Bento da Costa, de 19 anos, foi morto a tiros na manhã do domingo (28) durante uma vaquejada no Parque Maria Salete, em Santo Antônio. Um dos suspeitos de participar desse crime seria o Gordinho da Batata, que foi assassinado nesta terça ao lado da advogada.

De acordo com a Polícia Militar, João Victor estava correndo na vaquejada com sua equipe e, por volta das 5h, se afastou um pouco do grupo. O jovem estava no estacionamento do Parque quando duas pessoas se aproximaram em uma moto e dispararam pelo menos três vezes contra ele. Um dos disparos atingiu as costas do rapaz, que morreu na hora.

📳Participe do canal do g1 RN no WhatsApp e receba no seu celular as notícias do estado

Fonte: g1 RN