Diferença salarial entre homens e mulheres cai em 10 anos

Foto: Reprodução

A diferença entre salários pagos às mulheres e aos homens reduziu nos últimos 10 anos, segundo levantamento Mulheres no Mercado de Trabalho, realizado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). O índice que mede a paridade salarial passou de 72 em 2013 para 78,7, em 2023. A paridade de gênero é medida em uma escala de 0 a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, maior a equidade entre mulheres e homens. Os dados foram analisados a partir de microdados da PNADc (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). As informações serão apresentadas nesta 3ª feira (5.mar.2024), durante a primeira reunião de 2024 do Fórum Nacional da Mulher Empresária da CNI.

O estudo também revelou que a participação feminina em cargos de liderança passou de 35,7% em 2013 para 39,1% em 2023. O índice de empregabilidade das mulheres apresentou evolução entre 2013 e 2023, passando de 62,6 para 66,6, respectivamente, crescimento de 6,4%. Os resultados do levantamento também indicaram que as mulheres têm mais escolaridade que os homens. Enquanto elas têm, em média, 12 anos de estudo, os homens têm 10,7 anos.

O tempo dedicado à chamada jornada de trabalho reprodutiva, ou seja, aquela que envolve as atividades domésticas e de cuidados com familiares, também é maior entre as mulheres. No caso das pessoas empregadas, esse tempo foi de 17,8 horas semanais para mulheres e de 11 horas para homens em 2022. Dentre os desocupados –desempregados e pessoas em busca de emprego–, a diferença é ainda maior. As mulheres exercem 24,5 horas semanais de trabalho e os homens, 13,4 horas.

Para o presidente da CNI, Ricardo Alban, apesar da redução das diferenças entre gêneros da última década, é preciso continuar avançando e rápido. “É urgente ampliar o debate e implementar medidas concretas para chegarmos a um cenário de equidade plena no mercado de trabalho brasileiro”, declarou.

Poder 360

Fonte: Blog do BG