Conheça o potiguar que representou o Brasil como jovem embaixador do clima na COP 28 em Dubai

Um potiguar de 23 anos foi um dos três estudantes selecionados para representar o Brasil como jovem embaixador na Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 28), realizado neste mês em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Formado em Relações Internacionais pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Guilherme Lima, de 23 anos, é natalense e atualmente cursa um mestrado de Relações Internacionais San Tiago Dantas, programa integrado desenvolvido por três universidades paulistas: Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Para participar da COP em Dubai, ele foi aprovado em um edital do programa Operação COP: Jovens Embaixadores pelo Clima, da The Climate Reality Project, organização norte-americana, em parceria com o Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty, e realizado pela primeira vez no Brasil. Guilherme permaneceu nos Emirados durante todo o evento, que aconteceu de 30 de novembro a 12 de dezembro.

Além do potiguar, outros três jovens foram selecionados para o programa, mas somente duas conseguiram embarcar para participar da conferência, a paulista Helena Branco, de 21 anos, e a tocantinense Maria Gabriela Souza, também de 21 anos. O grupo foi acompanhado na viagem pelo estudante Luan Werneck, analista júnior de projetos no Climate Reality Project Brasil.

“Desde a aprovação no edital, tínhamos encontros semanais com representantes do Itamaraty. Foi um processo intenso de formação para entender toda estrutura, que incluiu até um curso online de negociação em mudança climática, pela Universidade Harvard, dos Estados Unidos. Tudo para que estivéssemos preparados para acompanhar as negociações na COP 28”, explicou.

No evento, as credenciais do governo brasileiro permitiram aos jovens acompanhar diversas mesas de negociação, painéis e palestras. Os três brasileiros do programa se dividiram para acompanhar agendas diferentes durante a conferência.

O natalense ficou responsável por acompanhar discussões sobre perdas e danos, as articulações de financiamento e assistência técnica aos países que sofreram danos climáticos.

“Foi uma experiência imersiva, onde pude acompanhar negociações ao vivo e ter acesso a muito conhecimento atualizado sobre inúmeras temáticas, além de fazer muitos contatos e conhecer diversas culturas”, destacou Guilherme.

Ainda durante o evento, a cúpula da COP oficializou, no dia 11 de dezembro, a decisão de eleger Belém, capital do Pará, como sede da COP 30, que será realizada em 2025. Com isso, a cidade do norte do Brasil se tornará o palco crucial para discussões sobre mudanças climáticas e estratégias globais para combater os efeitos adversos do aquecimento global.

Fonte: g1 RN